Notícias
Uma câmera vale mais que uma arma

Henrique Cymerman, jornalista português, radicado em Israel há 30 anos será entrevistado no Programa do JÔ, na próxima segunda-feira, dia 29 de agosto. Correspondente de diversos meios de comunicação, conhece bem a vida dos jornalistas em Israel e em Gaza. Vale a pena assistir.

 

 


Em palestra na Hebraica, promovida pelo Clube, Fundo Comunitário e Federação Israelita do Estado de São Paulo, Cymerman falou sobre a "Guerra Midiática no Oriente Médio". O jornalista afirmou que uma câmera de televisão vale mais do que uma arma ou até um avião, e que Israel não tem essa visão da importância das comunicações no mundo contemporâneo.

Por outro lado, o país, que é menor do que o Estado de Sergipe, conta com 3 mil correspondentes e está sempre nas manchetes, enquanto conflitos muito mais violentos, como o que acontece em Darfur, no Sudão, são pouco divulgados. "Os jornalistas que cobrem a região são esquizofrênicos", ressaltou Cymerman, explicando: "De manhã falam com um líder da Jihad em Gaza e à tarde estão no Hospital Hadassa em Israel vendo uma nova descoberta que irá salvar vidas". É difícil conviver com esta dicotomia.

"Em Gaza qualquer garoto de 10 anos sabe o que falar frente a uma câmera de televisão", afirmou, contando que os noticiários dos programas da TV do Hamás são conduzidos por garotos de 10, 12 anos. E há um similar do Mikey Mouse para a programação infantil que divulga a ideologia do Hamás.
Uma grande diferença sentida pelos jornalistas se dá no atendimento que recebem em Israel e em Gaza. Em Israel são atendidos por porta-vozes das diversas instituições governamentais e particulares, já em Gaza todo profissional tem de ser acompanhado por um jornalista local - um verdadeiro embaixador da causa palestina e dos radicais islâmicos. Além disso, o contato é mais pessoal, muitas vezes os jornalistas são convidados para jantar nas casas das famílias locais.

Sobre a Cisjordânia, Cymerman destacou o impressionante avanço: "é uma das economias que mais crescem no mundo", relatando o surgimento de uma nova e moderna cidade, com tecnologia avançada onde se pretende trabalhar em parceria com empresas israelenses. "Quando lá estive encontrei um grupo de 30 rabinos ortodoxos, que visitavam o local, saíram maravilhados e depois confirmaram suas opiniões extremamente favoráveis em seus blogs".

Hoje está havendo uma mudança nas agências sediadas em Israel, muitas norte-americanas estão deixando o país por causa da crise econômica, enquanto chegam outras da China e Índia. Há também os jornalistas que já vão com uma visão pré-concebida. "Já vi profissionais chegarem com uma crônica pronta, e depois de conhecer a realidade, publicarem a sua crônica, sem nenhuma alteração".
Cymerman manifestou sua preocupação caso a criação de um Estado Palestino não se concretize em setembro, devido às possíveis reações da população palestina. Mas, extremamente importante para ele é que: "Israel está perdendo a guerra midiática, e o Hamás e os radicais estão vencendo esta guerra", mobilizando a opinião pública.

Fonte: Pletz via Bnai Brith



Redes Sociais
Rua Rio Grande do Norte, nº477 – Funcionários - Belo Horizonte - MG | CEP: 30130-130
Telefone: (31) 3224-6673 | e-mail: fisemg@fisemg.com.br